DOWNLOADS

*campos obrigatórios

Para iniciar o download de material exclusivo, preencha com seus dados:

CONTATO

*campos obrigatórios

Entre em contato conosco e supere suas expectativas:

CONTRATE

*campos obrigatórios

Formulário:

Verifique a disponibilidade de agenda para contar com a presença de
Carlos Hilsdorf em seu evento.
Torne seu evento único!

Preencha o formulário ao lado.

+55 16 3374.3839

Rua Sete de Setembro, 1353, Centro
CEP: 12560-180 São Carlos - SP

Blog

Arquivo da tag: aprendizagem

Há um caminho por trás de cada porta

caminho-porta

As portas não se abrem sempre da mesma maneira. Os mesmos caminhos que nos levam ao êxito podem também ocasionar o fracasso. A substância que cura também pode matar. Tudo é uma questão da dose, do momento, da aplicação…

Veja o caso da repetição: repetir é uma das condições necessárias à aprendizagem.

Dizemos que alguém aprendeu determinada função, ação ou conhecimento, quando é capaz de repetir em situações idênticas ou semelhantes, a mesma sequência, raciocínio ou processo.

Porém, nossa capacidade de repetir nos conduz inúmeras vezes ao engano.

Aprendemos como abrir uma porta, generalizamos este processo e começamos a abrir todas as portas fechadas que encontrarmos… Até que um dia encontramos uma porta que, em várias tentativas, simplesmente, não abre…

Fomos enganados pelo hábito da repetição. Simplesmente, a maçaneta está ao contrário, ou o sentido da chave está invertido. O fato é que ficamos algum tempo paralisados, pensando porque a porta não abre se fizemos tudo direito?

Quando “congelamos” no processo de repetição, ocorreu apenas uma fase do processo de aprendizagem, mas não a mais importante delas: aquela que dá origem conhecimento.

O conhecimento nos permitirá utilizar respostas diferentes diante de novos desafios.

Foi assim que reagimos diante da porta:

As portas se abrem girando a maçaneta para a direita. Estou diante de uma porta. Giro a maçaneta para a direita e a porta não abre, logo… Não posso abrir essa porta.

Quando o mais correto seria reagirmos assim:

Uma grande quantidade de portas se abre girando a maçaneta para a direita.

Estou diante de uma porta. Giro a maçaneta para a direita e a porta não abre…

Bom… Que tal tentar girar para a esquerda?

Sim, posso abrir essa porta, basta compreender como está fechada, ao invés de ficar repetindo as maneiras como abri as portas anteriores.

É extremamente simples! Na vida, as portas não se abrem sempre da mesma maneira.

Com base neste raciocínio, pare e reflita: quais são as portas que não se abrem na sua vida?

  • Você está preso à solidão? Abra a porta para estabelecer relacionamentos.
  • Está preso no quarto escuro da mágoa? Abra as portas do perdão.
  • Se encontra confinado aos acontecimentos passados? Abra a porta do presente.
  • Sente-se aprisionado pelo seu potencial atual? Abra as portas do aprendizado de coisas novas.

Sim, eu sei, você vai me dizer que já tentou fazer isso várias vezes, mas as portas não se abriram, parecem estar emperradas… Mas, espere um pouco… Será que você girou a maçaneta para o lado certo?

O fato das coisas não darem certo em noventa e nove tentativas, não significa que não darão certo na centésima, especialmente se você tentar de uma forma diferente.

Não viva aprisionado às generalizações. Você não é uma estatística, é um ser de potencial ilimitado.

Não se esqueça também que você pode mudar de porta… As portas que não se abrem servem para duas coisas básicas em nossas vidas:

1)     Testar nossa perseverança, garra e inteligência em abri-las;

2)     Fazer-nos perceber que nosso caminho não passaria por aquela porta, que estávamos diante da porta errada.

Só os mais experientes e mais sábios descobrem rapidamente a diferença. A maioria das pessoas se engana: insiste na porta errada e desiste da porta certa. Preste atenção nisso!

A vida é um labirinto de portas. Para cada uma que você abrir, outra surgirá, e o que está por trás de cada uma delas, jamais será a mesma coisa. Nem você será o mesmo, dependendo das portas que escolher…

Entre todas estas portas, existe uma fundamental: aquela que só abre por dentro e dá acesso ao seu coração. É por esta porta que entram a Luz de Deus, o seu verdadeiro amor, os amigos.

E é por ela que você sai do passado, abandona suas mágoas, frustrações e limitações e parte na direção de novas possibilidades e oportunidades.

Esta porta que só abre por dentro também parece não abrir em determinadas situações: inverta o sentido da maçaneta! Porque, na vida, é perdoando que se é perdoado, é amando que se é amado, é dando que se recebe.

Abra as portas do coração e da alma e, em seguida, vá abrindo todas as portas significativas que a vida colocar à sua frente, menos aquelas que sua própria alma e coração disserem não ser para você!

Não se preocupe em saber a diferença agora. O tempo, a experiência e, sobretudo, um coração humilde lhe ensinarão a reconhecer a diferença.

Há uma porta esperando para ser aberta neste exato momento, só depende de você!

Carlos Hilsdorf
Economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante dos Congressos Mundiais de Administração (Alemanha e Itália) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor dos best sellers Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira, Revolucione Seus Negócios e do lançamento Atitudes Empreendedoras. Referência nacional em desenvolvimento humano.

Encontre o seu Shangri-la

shangrila

Estou escrevendo este artigo aos doze dias de Janeiro, o que coincide com o dia do meu aniversário. Escrever este artigo é para mim um presente. Considero todas as oportunidades de relacionamento com a vida e com as pessoas um imenso presente. Como hoje é meu aniversário, vou me permitir algumas “licenças poéticas” neste artigo.

Talvez hoje seja seu aniversário também, ou de alguém a quem você ama; uma amiga, um parente, um professor. Aniversários têm sempre um significado especial. Eles nos lembram a data em que fomos matriculados neste estágio da escola da vida e sugerem um balanço do que realizamos até o momento, como anda a nossa missão existencial, a tão aclamada lenda pessoal (me lembro de Joseph Campbell) que cada um de nós vive de forma particular e única.

Nesta datas, muitas pessoas se lembram de nós. Nesta data, nós também nos lembramos deles, de tudo o que vivemos em sua companhia e, inevitavelmente, de tudo mais o que vivemos, os fatos e pessoas que marcaram, os risos e as lágrimas que deram o tom da nossa trilha sonora existencial. Desfilam em nossa mente pessoas, situações, livros, fotos, músicas, filmes, tudo o que compôs o cenário de nossas vidas até o momento…

Quando eu era ainda uma criança, o primeiro filme que me impactou, ainda bem pequeno, foi “O Horizonte Perdido” (The Lost Horizon). Nas locadoras há duas versões deste filme, a que me refiro é a que possuía a trilha sonora de Burt Bacharach. Baseado no livro de James Hilton, este filme, mistura de realismo fantástico, musical, romance drama e filosofia, conta a história de um avião que cai nas montanhas durante uma tempestade de neve. Seus passageiros buscando abrigo e alimento são resgatados por uma equipe que os conduz a Shangri-la, um paradisíaco lugar entre as montanhas onde as pessoas vivem em harmonia, não envelhecem e desfrutam da paz proveniente da moderação e da cooperação. Tudo isto ocorre desde que não deixem Shangri-la, pois sair deste “éden” significa perder todos estes benefícios.

Visto hoje, a parte musical do filme parece ingênua e até infantil, mas os diálogos e a proposta mítico/metafórica de Shangri-la não perderão o significado jamais…

Existe um lugar a salvo das tempestades do mundo, um lugar onde existe paz, amor e harmonia, onde a moderação e a cooperação permitem a qualidade de vida. Um lugar onde a gente não envelhece. Neste lugar o amor de nossas vidas e nossa missão esperam por nós…

Quando o encontrarmos seremos felizes, desde que tenhamos a coragem de abandonar  “a velha civilização”  e tudo mais que ficou “para além das montanhas” sagradas de Shangri-la.

O paraíso tem lá suas condições…

Se você ainda não viu este filme, veja. Veja, preferencialmente, a versão com trilha de Burt Bacharach (a versão colorida por computador, a anterior permaneceu somente em preto e branco), você se beneficiará com os diálogos e com as reflexões que poderá fazer partindo deles…

Shangri-la existe!

Está dentro do seu coração.

Neste lugar, nenhuma tempestade poderá atingi-lo.

Em Shangri-la, todos os dias são dias do seu aniversário. Neste lugar “mágico” suas lembranças estarão vívidas e você experimentará a paz… Desde que, tendo encontrado este paraíso perdido dentro de si mesmo, você não tente voltar para as coisas que ficaram para trás.

Shangri-la é um lugar que está sempre à sua frente, quando encontrá-lo viva nele, não o deixe.

Se tentar partir e voltar para o “velho mundo” poderá passar o resto de seus dias buscando o caminho de volta…

Cada um de nós tem um sentido, um significado, uma interpretação para este metafórico lugar do realismo fantástico…

Cada um de nós tem o seu próprio Shangri-la.

Feliz aniversário!

Em Shangri-la sempre será o dia do seu aniversário…

Por que lá você renasce todos os dias…

Carlos Hilsdorf
Economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante dos Congressos Mundiais de Administração (Alemanha e Itália) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor dos best sellers Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira, Revolucione Seus Negócios e do lançamento Atitudes Empreendedoras. Referência nacional em desenvolvimento humano.

Não acredite no fracasso

fracasso

A vida não é feita somente de vitórias. E os fracassos não são tão ruins, basta não dar a eles mais importância do que possuem!

Se você estiver vivendo plenamente (viver plenamente inclui assumir riscos responsáveis) é bem provável que você fracasse algumas vezes. Isso é normal e positivo. Sim, é normal, pois fracassar é parte do processo de aprendizagem. Thomas Edison fez inúmeras tentativas em que fracassou até conseguir inventar a lâmpada elétrica. Perguntado sobre suas falhas, ele respondeu: “Apenas descobri inúmeros caminhos que não serviam ao meu propósito, mas sem percorrê-los não chegaria ao meu êxito!”.

A vitória é uma tentativa que deu certo, as demais foram um ensaio necessário. Quem não ensaia, não estréia!

Fracassar é também positivo porque lhe impede de contrair a doentia ideia de infalibilidade. Todas as pessoas que não querem falhar nunca, além de falharem com mais frequência, sentirão dores muito mais profundas a cada falha.

A maior parte dos fracassos advém de tentativas de acerto e, portanto, são nobres, não pobres!

A pobreza não reside no fracasso, mas em considerá-lo definitivo. Um fracasso somente será definitivo se você desistir de tentar novamente. Então a conclusão é simples – na vida, nunca desista do que vale realmente a pena, só desista daquilo que não vale. A sabedoria está em saber a diferença.

E esta diferença é facilmente percebida com o passar do tempo.

Se você desistir do que vale a pena encontrará fracasso e tristeza duradouros. Se você persistir no que vale a pena, encontrará sucesso e felicidade verdadeiros.

E ainda, se você insistir no que não vale a pena, encontrará sofrimento, mas se desistir encontrará alívio.

Não fuja do fracasso, apenas dedique-se ao sucesso! Na vida, fugir é uma ilusão, suas questões interiores irão com você aonde você for.

Se você fracassou, aproveite a lição contida no fracasso: a oportunidade de aprender e recomeçar com mais experiência!

O fracasso não é uma condenação, é uma parada para reflexão. Os aviadores se preparam para arremeter (subir rapidamente) em todo e qualquer pouso. Podemos dizer “brincando” que um pouso é uma arremetida que “fracassou”…

Esteja preparado para arremeter sempre que perceber que não vai pousar com sucesso…

Levante! Tente outra vez. Tente diferente. Tente com mais intensidade. Tente o que ainda não tentou!

Todas as pessoas de sucesso devem muito mais a seus fracassos que a qualquer outro estímulo em suas vidas!

Não se coloque na posição de vítima rotulando-se de fracassado. A maioria dos cantores de sucesso que você admira, receberam dezenas de “portas na cara” antes que você pudesse ouvi-los no rádio ou na TV. Muitos dos maiores escritores do mundo tiveram seus originais  rejeitados por editores que não compreenderam o conteúdo que tinham nas mãos.

Muitas vezes o fracasso de alguém é apenas a incapacidade dos outros de perceberem uma ideia, um comportamento, um talento ou um valor muito à frente deles mesmos.

Se você estiver à frente de seus amigos, de sua família, de sua empresa e/ou do seu tempo, poderá ser visto como um fracassado quando, na verdade, eles é que fracassaram em compreender você!

O fracasso não existe… A não ser para aqueles que se culpam por terem tentando, sem obter êxito e, numa atitude covarde, desistem de tentar outra vez!

Não devemos ser reféns do medo, mas se você tiver que cultivar algum, cultive o medo de ser covarde! Seja corajoso! Corajoso não é que não sente medo. É quem avança apesar do medo.

Fracasso significa apenas: hora de reavaliar e redesenhar o caminho.

O fracasso é algo natural. Se você nunca fracassou preocupe-se! Você deve estar tentando pouco e inovado quase nada.

Se você fracassou muitas vezes, por razões muito semelhantes, observe se há um fator comum a ser corrigido nos fracassos recorrentes, algo que você não ainda aprendeu das vezes anteriores.

Se você aprendeu e aprende muito com seus fracassos, bem vindo e bem vinda ao seleto grupo de homens e mulheres que fazem a diferença no mundo!

Assim como não existe um romance sem lágrimas, a vida também não é feita só de vitórias, se fosse, não haveria mérito algum.

Enquanto você ensaia para o sucesso deixe que os fracos acreditem que fracassaram, mas a todos que você encontrar pelo caminho, seja generoso e explique:

- Acorde! Se você chegou até aqui, pode ir mais longe! – Levante-se e siga!

Carlos Hilsdorf
Economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante dos Congressos Mundiais de Administração (Alemanha e Itália) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor dos best sellers Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira, Revolucione Seus Negócios e do lançamento Atitudes Empreendedoras. Referência nacional em desenvolvimento humano.