DOWNLOADS

*campos obrigatórios

Para iniciar o download de material exclusivo, preencha com seus dados:

CONTATO

*campos obrigatórios

Entre em contato conosco e supere suas expectativas:

CONTRATE

*campos obrigatórios

Formulário:

Verifique a disponibilidade de agenda para contar com a presença de
Carlos Hilsdorf em seu evento.
Torne seu evento único!

Preencha o formulário ao lado.

+55 16 3374.3839

Rua Sete de Setembro, 1353, Centro
CEP: 12560-180 São Carlos - SP

Blog

Arquivo da tag: comportamento

As 15 posturas de um líder de sucesso

perfil lider lideranca

 Liderança é um comportamento aprendido que se torna inconsciente e automático ao longo do tempo. Segundo a revista americana Forbes, os líderes tomam decisões importantes sobre um problema no mesmo período em que outras pessoas levam apenas para entender as questões. O processo de tomada dessas decisões vem de um acúmulo de experiências, encontros com uma multidão de circunstâncias diferentes, tipos de personalidade e falhas imprevistas.

Conforme a publicação, os líderes mais bem-sucedidos são os tomadores de decisões instintivas. Para fazer a carreira avançar, é preciso aprimorar a capacidade de liderança e assumir responsabilidades. Para chegar lá, a revista listou 15 posturas que devem ser trabalhadas por um líder de sucesso. Confira a seguir:

Continue lendo

Aprendendo com a ignorância

autoconhecimento

Devemos nos dedicar com entusiasmo a toda e qualquer possibilidade de diminuir a nossa gigantesca ignorância a respeito de tudo!

A postura do eterno aprendiz é, ao lado do amor, a  maior fonte de alegria e prazer na nossa existência. Ambas, para serem plenas, devem estar associadas à postura de servir, ser útil à vida e às pessoas.

Quanto mais aprendemos mais se revela a nossa profunda ignorância sobre as coisas, fato que não deve nos deprimir, mas incentivar a continuar buscando e aprendendo. Ficarmos deprimidos com aquilo que não sabemos é perda de tempo e energia. A ignorância quando reconhecida é a porta de entrada para o conhecimento consciente. Ignorar é bom quando sabemos que ignoramos, quando não ignoramos nossa própria ignorância!

Aquilo que não sabemos não deve ser fonte de tristeza, mas ponto de partida para a felicidade. Descobrir é experimentar um tipo especial de felicidade. O conhecimento enobrece, liberta e alegra! A depressão é a ignorância que se entrega enquanto a sabedoria é a ignorância que entrevista a vida sobre seus segredos…

O que temos consciência de que não sabemos já podemos buscar aprender, e isso é ótimo. A área de sombra está em desconhecer o que não sabemos. A ignorância que ignoramos é a verdadeira ignorância!

Por isso é necessário o convívio com as outras pessoas, quanto mais diferentes de nós, melhor. Isto é de vital importância para o nosso desenvolvimento. Através das lentes da diferença, podemos entrar em contato com aquilo que desconhecemos. O convívio com o outro revela dimensões da vida e de nós mesmos que seriam de difícil acesso só pelos nossos caminhos.

O universo do outro, sua forma particular de ver, sentir e viver a vida pode nos despertar das nossas ilusões sobre o conhecimento das coisas. Observar que existem múltiplos caminhos para responder uma questão, resolver um problema e superar uma dificuldade nos liberta do perigo do pensamento único, da megalomania de acreditar que temos, não somente as respostas, mas detemos a verdade.

A verdade do outro é um ótimo antídoto para as nossas ilusões de verdade. Precisamos do outro para enxergar a nós mesmos de outra perspectiva, menos vaidosa, menos egoísta e narcisa, desde que o outro seja sincero em sua interação conosco. Pessoas que nos endeusam não colaboram com nosso crescimento. Quanto mais eu vivo mais prefiro a crítica sincera ao elogio paternalista. Cresço com as críticas, me alegro com os elogios (quando lúcidos), mas me alimento mesmo é do conhecimento que surge a partir de ambos.

Tanto o elogio quanto a crítica podem estar equivocados, enviesados, mas o que importa é que trazem novos elementos ao cenário sob o qual a história viva do conhecimento está sendo escrita. Conhecer é viver e viver é reconhecer-se! Quem meditar nesta frase encontrará muito sobre si mesmo.

A ignorância é bela como ponto de partida. Nesse sentido ela é uma espécie de ingenuidade, uma fome de conhecimento. A ignorância é cruel como âncora. Como âncora ela pode fazer com que você fique confortavelmente preso á segurança do cais. Nenhum barco é construído para ficar junto ao cais, sua função é navegar!

Nenhum ser humano deve ficar ancorado às suas certezas sem antes navegar pelos oceanos das possibilidades do conhecimento, considerar e compreender de maneira empática, outros horizontes, outras culturas, outras religiosidades, outras escolhas.

A sabedoria não depende de erudição, de formação acadêmica ou cultura enciclopédica. Sabedoria é um estado de espírito diante do conhecimento da vida, ela está presente em pessoas que nunca frequentaram a escola e ausente em muitos Phds. Quantos deles publicam suas falsas certezas, mas têm medo de publicar suas dúvidas?

Tenho muito mais receio das certezas que das dúvidas. Penso que a dúvida já não seja ignorância, mas início do caminho da sabedoria.

Até mesmo a fé contém a dúvida, embora a fé seja a certeza que resta quando todas as outras deixam de existir. E, mesmo considerando que a fé seja uma certeza além das certezas, sempre existirá a dúvida: por que caminhos Deus se manifestará? Sabemos da sua presença e da sua ação, mas ousaríamos dizer que temos certezas sobre os caminhos que Ele utilizará diante de determinada situação?

Uma fé verdadeira, mas humilde, reconhece-se impossibilitada de compreender a plenitude do conceito de Deus e suas possibilidades de atuação.

Conviver com a presença da dúvida sem utilizá-la como desculpa e vivê-la como ponto de partida e não uma âncora é fundamental para ser feliz. Pessoas mergulhadas em certezas ou em dúvidas se esquecem de tirar a cabeça para fora da “água” e respirar para continuar vivendo.

A dúvida é amiga do cientista, do artista e de todas as pessoas que de maneira sincera e humilde se apresentam cheias de perguntas diante do maravilhoso mistério da Vida!

Ignorar também é bom, desde que reconheçamos a presença da ignorância. Ignorar a nossa própria ignorância equivale a uma sentença.  Reconhecê-la nos liberta para aprender…

Aqueles que se sentem satisfeitos com sua própria ignorância e nada fazem pra vencê-la empobrecem sua vida e o mundo. Somente os insatisfeitos e inquietos com suas dúvidas, somente os que buscam o conhecimento podem ajudar a construir um mundo melhor, primeiro o mundo interior e, na sequência, o mundo ao seu redor.

Conhecer é viver e viver é reconhecer-se!

Carlos Hilsdorf
Economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante dos Congressos Mundiais de Administração (Alemanha e Itália) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor dos best sellers Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira, Revolucione Seus Negócios e do lançamento Atitudes Empreendedoras. Referência nacional em desenvolvimento humano.

A Inveja

Olá amigos! Que nunca sofreu com a inveja? A inveja é uma vontade frustrada de possuir os atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-las. A quem sofre porque outras pessoas tem inveja de você, deixou este pequeno texto “Pedras e Frutos” de minha autoria, e uma breve fábula, bastante conhecida.

Pedras e frutos (por Carlos Hilsdorf)

”Não se atiram pedras em árvores sem fruto; toda tentativa de apedrejamento visa sempre derrubar os frutos.
Inocente ignorância dos apedrejadores, porque, mesmo conseguindo o feito, se esquecem de que os frutos caídos no chão experimentarão o tempo e a decomposição e voltarão a frutificar, de uma ou de outra maneira, pois cada semente dá origem à essência interior que carrega.
Já as pedras caídas no chão permanecerão pedras, e as mãos que as atiraram terminarão vazias, tão vazias quanto o coração e a alma que lhes ativaram o movimento.”

Palestrante Carlos Hilsdorf

E aqui, a fábula, de que falei:

A Inveja

Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um vagalume que só vivia para brilhar.

Ele fugia rapidamente, com medo da cobra. Fugiu durante um dia e ela não desistia, dois dias e nada da cobra desistir.

No terceiro dia, já sem forças, o vagalume parou e disse à cobra:

- Posso lhe fazer uma pergunta?

- Não costumo abrir esse precedente para ninguém, mas já que vou te devorar mesmo, pode perguntar.

- Pertenço à sua cadeia alimentar?

- Não.

- Te fiz alguma coisa?

- Não.

- Então por que você quer me comer?

- PORQUE NÃO SUPORTO VER VOCÊ BRILHAR!

A qual grupo você pertence ?

fazer a diferença

Em uma importante universidade, um sábio professor, com grande dose de paciência, tentou começar a primeira aula do ano de sua nova turma, mas não conseguiu. Pediu silêncio educadamente várias vezes e não obteve sucesso. O professor, com voz firme, disse então:

“Queridos alunos, prestem atenção porque eu vou falar isso uma única vez. Desde que comecei a dar aula, há muitos anos, descobri que nós professores, trabalhamos apenas 5% dos alunos de uma turma. Em todos esses anos observei que de cada 100 alunos, apenas 5 são realmente aqueles que fazem alguma diferença no futuro; apenas 5 se tornam profissionais brilhantes e contribuem de forma significativa para melhorar a qualidade de vida das pessoas e do mundo. Os outros 95% servem apenas para fazer volume; não se dedicam, não se esforçam, não saem da zona de conforto, são acomodados, ficam na mediocridade… Passam pela vida sem deixar nada de útil.

O interessante é que esta porcentagem vale para todo mundo. Se prestarem atenção, notarão que de 100 professores, apenas 5 são aqueles que fazem a diferença; de 100 garçons, apenas 5 são excelentes; de 100 motoristas de táxi, apenas 5 são verdadeiros profissionais que amam o que fazem.

É uma pena muito grande não termos como separar estes 5% do restante, pois se isso fosse possível, eu deixaria apenas os alunos especiais nesta sala e colocaria os demais para fora, então teríamos o silêncio necessário para uma boa aula e eu dormiria tranquilo sabendo ter investido nos melhores.

Mas, infelizmente ainda não há como saber quais de vocês são estes alunos. Só o tempo será capaz de mostrar isso. Portanto, terei de me conformar e tentar dar uma aula para os alunos especiais, apesar da confusão que está sendo feita pelo restante.

Claro que cada um de vocês sempre pode escolher a qual grupo pertencerá: ao grupo que faz a diferença, ou ao grupo que passa pela vida sem deixar sua marca. Pensem bem. Ainda dá tempo de fazer parte do grupo certo, do grupo que faz a diferença. Obrigado pela atenção e vamos à aula”.

Esta simples história nos traz uma forte mensagem sobre a importância da dedicação, do comprometimento, do esforço-extra. Uma lição sobre sair da mediocridade, abandonar o comodismo e fazer as coisas realmente acontecerem. E você? A qual grupo você quer pertencer?

Um grande abraço a todos!

Carlos Hilsdorf

Metáfora do Carpinteiro

carpinteiro

Um carpinteiro estava para se aposentar. Ele contou a seu chefe os seus planos de parar com o serviço de carpintaria e  construção de casas e viver uma vida mais calma com sua família. Claro que ele sentiria falta do pagamento mensal, mas ele já estava com certa idade e queria descansar. O dono da empresa ficou triste em saber que perderia um de seus melhores empregados e pediu a ele que construísse uma última casa como um favor especial.

O carpinteiro concordou, mas era fácil ver que ele não estava entusiasmado com a ideia. Ele não se empenhou no serviço e utilizou matéria prima de qualidade inferior. Seus pensamentos e seu coração não estavam no trabalho. Foi uma maneira lamentável de encerrar sua carreira.

Quando o carpinteiro terminou seu trabalho, o construtor veio inspecionar a casa e entregou a chave da porta ao carpinteiro, dizendo.

- “Essa é a sua casa. Meu presente a você, que trabalhou tantos anos para mim.”

Que pena! Se ele soubesse que estava construindo sua própria casa, teria feito completamente diferente. Agora ele teria de morar numa casa feita de qualquer maneira, sem carinho, sem amor.

Muitas vezes, isso acontece conosco. Nós construímos nossas vidas de maneiras distraída, reagindo mais do que agindo, colocando menos quando deveríamos colocar o melhor. Nos assuntos importantes nós não empenhamos nosso melhor esforço. Então, em choque, nós olhamos para a situação que criamos e vemos que estamos morando na casa que construímos. Se soubéssemos disso, também teríamos feito diferente. Mas ainda há tempo…

Pense em você como o carpinteiro. Pense sobre sua casa. Cada dia você martela um prego novo, coloca uma armação ou levanta uma parede. Construa sabiamente. É a única vida que você construirá. Mesmo que você tenha somente mais um dia de vida, este dia merece ser vivido intensa e graciosamente, com dignidade. A vida é um projeto de você mesmo. Sua vida de hoje é o resultado de suas atitudes e escolhas feitas no passado. Suas atitudes e escolhas de hoje estão construindo a “casa” em que você vai morar amanhã. Construa com sabedoria! E lembre-se: Trabalhe como se não precisasse de dinheiro. Ame como se você nunca tivesse se magoado antes. O homem é livre, mas também é responsável por suas escolhas.

Mãe!

MÃE: As três letras mais poderosas do idioma do amor incondicional. Palavra tão curta, com significado tão extenso, que todos os livros, poemas e textos já escritos sobre o assunto jamais puderam ou poderão esgotar-lhe a extensão e profundidade!

Mae

A maternidade é, sem dúvida, um elo de ligação entre o céu e a terra, como quer que entendamos “céu” e “terra”; sua expressão caracterizada pela presença e cuidados constantes é sempre o sinônimo de carinho, doçura e compreensão máxima.

O amor das mães toma proporções impossíveis de serem compreendidas pelo ser humano comum, são muitos os “milagres” que seu amor realiza. Chegam a transformar seu próprio sangue em leite para alimentar os bebês a que trazem à luz, ou outros a quem se afeiçoam como “mães de leite”, lindas mulheres que também exercem a maternidade solidária do período de lactação. Gerações e gerações foram alimentadas no passado pelas chamadas “mães pretas”, as “Bás” dotadas de amor e carinho que suplantavam as maiores expectativas.

Claro que você pode me dizer: conheço mães que não são assim, são más, prejudicam seus filhos, invejam seu desenvolvimento, etc.

Minha resposta para você é: Não!

Você conhece pessoas assim, não mães. Ser mãe não é um acidente biológico, ou algo que se possa comprar em uma clínica especializada. Por acidente ou por compra pode-se obter uma gestação, fenômeno natural ocorrido pelo encontro das células sexuais. Maternidade é diferente. Não é a gestação, mesmo esta sendo maravilhosa, o que torna uma mulher mãe, é o amor, vínculo, a doação de si mesma pela felicidade dos filhos.

Milhares e milhares de mães adotivas no mundo, não viveram a gestação física do ventre materno, mas vivem todos os dias a gestão do amor incondicional que torna seus filhos, filhos do coração e da alma, são mães no sentido superlativo do termo. Afinal, estas não cuidam de seus filhos porque são sangue do seu sangue, contém material genético de todos os seus ancestrais, se parecem fisicamente com elas, ajudam a manter o casamento ou são herdeiros legítimos por direito de nascimento. Estas mulheres extraordinárias cuidam de seus filhos exclusivamente por amor, um amor que muitos de nós nem sonha compreender…

Assim são as mães, elas geram seus filhos, algumas no ventre e no coração, outras somente no coração. Falam o mais sublime dos idiomas. Vivem a mais bela das missões. Possuem o mais difícil desafio: preparar novas vidas para possuir autonomia no mundo e viver ética e corretamente em um mundo que nem sempre os tratará assim. Alguém conhece algum exemplo maior de heroísmo na face deste planeta?

A gravidez é linda, mas enganam-se os que acreditam que ocorre no útero, é na alma que se gera, alimenta e mantém os filhos, e é por isso que lembrar do sorriso de nossa mãe, nos faz sorrir e chorar ao mesmo tempo. Sorrimos porque não há em nosso espírito cena mais linda para recordar que o sorriso da mãe. Choramos porque sabemos que aproveitamos pouco o tempo que temos a seu lado!

A todas as mães, incluindo as que assumem a posição como as avós, irmãs, tias e todas as que exercem esta divina missão de semear o amor na terra, meus mais intensos parabéns: vocês conhecem Deus de perto! Feliz dia das Mães.

Por Carlos Hilsdorf: economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante do Congresso Mundial de Administração (Alemanha) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor do best seller Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, e do sucesso 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira. Referência nacional em desenvolvimento humano.
Site: www.carloshilsdorf.com.br – Twitter: @carloshilsdorf

Você sabe o que é Competência?

O termo competência, na esfera da gestão em RH, surgiu na de cada de 1970, ampliou-se nos anos oitenta e passou a fazer parte cotidiana do jargão corporativo em meados de 1990.

alt

Embora sujeito a diferentes abordagens e teorizações (o que dificulta uma definição plenamente aceita), é importante compreender que o conceito de competência (como de fato acontece com todos os conceitos) difere da palavra competência tomada em seu sentido cotidiano, fora do ambiente corporativo…

Continue lendo

É bom ser do bem

É bom ser do bem

Existe uma antiga citação que propõe que o avanço do mal se deve ao fato que o mal é ousado e o bem é tímido!

As pessoas dedicadas à prática do bem costumam não divulgar muito suas ações. Primeiro porque não estão em busca de reconhecimento e afagos ao ego e à vaidade. Segundo porque entendem (ao menos alguns cristãos) que a passagem “…não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita…” – seja uma espécie de restrição à divulgação do bem que compartilhamos com o próximo.

O alerta faz mais sentido se entendido como uma advertência aos cuidados necessários para o não envaidecimento com qualquer participação nossa com o que denominamos a prática do bem, já que esta emana e pertence a Deus, que nos possibilita compartilhá-lo.

Pessoas envolvidas com a prática do mal parecem ousadas porque em sua insanidade não têm limites e não enxergam obstáculos à realização de seus desejos. Tentam intimidar aquelas que não aprovam sua maneira de agir. Ora, intimidar é tornar tímido, inerte, ou seja, paralisar a ação em sentido contrário.

O líder Martin Luther King também disse uma vez: “O que mais preocupa não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética. O que mais preocupa não é o grito dos maus, é o silêncio dos bons.”

Desta maneira, se estamos envolvidos com boas ações e causas nobres, não devemos jamais nos intimidar em praticá-las e em cativar outras pessoas através do exemplo para que façam outras tantas ações possíveis na semeadura da paz e do bem!

O bem não é tímido por natureza, é reservado. O bem não visa a autopromoção. Talvez por isso não tivemos a oportunidade de tomar conhecimento de fantásticas realizações em toda parte, às vezes na nossa própria rua, do lado da nossa casa.

Que tal apresentarmos uns aos outros as iniciativas de fazer o bem que encontrarmos pelo caminho, atuando como semeadores que distribuem as sementes com que somos presenteados ao longo da nossa jornada de vida?

Toda jornada de mil passos começa com o primeiro passo, propõe o taoísmo. Aqui vai um primeiro passo: conheça a campanha denominada “É bom ser do bem!”

Descubra que pequenas mudanças em nossas atitudes diárias possuem um extraordinário efeito multiplicador na construção de um mundo melhor. Esta filosofia está profundamente relacionada com a que eu propus no livro Atitudes Vencedoras e é a base de todo o meu trabalho e filosofia de vida. Por isso, hoje eu quis compartilhar isso com você!

O site da campanha é www.ebomserdobem.com.br.

Na hora de semear o bem não sejamos tímidos, a verdadeira ousadia reside em construir um mundo melhor!

Espalhe essa idéia!

Carlos Hilsdorf

É bom ser do bem

7 Dicas para reduzir o stress

Algumas dicas simples podem ajudar você a reduzir o nível de estresse nesse mundo tão agitado em que vivemos.

stress - 7 dicas reduzir estresse

Veja abaixo, 7 dicas para reduzir o estresse:

1 – Não leve as coisas sempre para o lado pessoal – Faça um exercício e tente se distanciar dos problemas. Nunca questione sua capacidade ou valor diante das dificuldades. Desafios, críticas negativas e falhas fazem parte da vida em todas as áreas, sem que você seja culpado dessas situações.

Continue lendo

Entrevista para Portal Arca Universal

palestrante Carlos Hilsdorf

Com um vasto currículo como palestrante no Brasil e em outros países, como Alemanha e México, Carlos Hildorf é especialista em tudo que está ligado a atitudes no ambiente de trabalho e relacionamentos. Em conversa com o Portal Arca Universal, o profissional dá dicas bastante interessantes de como agir.

Confira a entrevista a seguir:

Continue lendo