DOWNLOADS

*campos obrigatórios

Para iniciar o download de material exclusivo, preencha com seus dados:

CONTATO

*campos obrigatórios

Entre em contato conosco e supere suas expectativas:

CONTRATE

*campos obrigatórios

Formulário:

Verifique a disponibilidade de agenda para contar com a presença de
Carlos Hilsdorf em seu evento.
Torne seu evento único!

Preencha o formulário ao lado.

+55 16 3374.3839

Rua Sete de Setembro, 1353, Centro
CEP: 12560-180 São Carlos - SP

Notícias

Na contramão da autoajuda - Folha de São Paulo

Por Assessoria de Imprensa em 10-11-2015


Carlos Hilsdorf, 47, dá palestra em empresa de São Paulo. (Fábio Braga/Folhapress)
 
(Matéria do jornal Folha de São Paulo, Domingo, 8 de novembro de 2015)

O ano de 2014 foi ambíguo para a Alstom. Por um lado, a empresa obteve números recordes de negócios no Brasil. Por outro, foi indiciada pela Polícia Federal por participação em cartel na prestação de serviços para a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).
 
Para falar aos funcionários durante o evento anual da empresa, o RH convidou o palestrante Clóvis de Barros Filho, professor de ética da USP.
 
"A ideia era recuperar o engajamento dos funcionários. Mostrar que, apesar da crise de imagem, nós tínhamos feito um ano bom", diz Gustavo Almeida, vice-presidente de recursos humanos da Alstom na América Latina.
 
Barros Filho define seu trabalho como "reflexivo e inspiracional". "Em vez de esbravejar para o indivíduo ter sangue nos olhos e trabalhar mais para alcançar metas, a pergunta que eu faço é se essas são boas metas, ou se são as únicas possíveis", afirma.
 
O professor é um dos principais nomes da tendência dos palestrantes técnicos, que tratam de temas que vão desde filosofia a ferramentas práticas de gestão, em oposição ao discurso de autoajuda.
 
No mês de outubro, Barros Filho afirma ter feito 32 apresentações de cerca de uma hora, cujo preço varia entre R$ 22 mil e R$ 30 mil.
 
Os grupos dividem terreno no mercado. Os "reflexivos", como o filósofo Mário Sérgio Cortella, são mais populares entre os níveis gerenciais e superiores, enquanto os motivacionais, como José Roberto Gretz, costumam ser recrutados para falar para plateias em cargos operacionais.
 
No geral, o mercado cresceu 11% entre 2013 e 2014, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD).
 
Há ainda os que mesclam estilos. Carlos Hilsdorf, 47, fala sobre estratégia e gestão. Ao mesmo tempo, usa recursos como truques de mágica.
 
Para ele, os eventos hoje têm maior profundidade. "É um amadurecimento do mercado."

 

 
No Banco do Brasil, há um grupo de cinco palestrantes fixos que, além de se apresentarem, são professores em cursos para os funcionários.
 
A ideia é fazer um trabalho contínuo de reflexão sobre a estratégia, de acordo com Carlos Netto, diretor de gestão de pessoas do banco.
 
EQUILÍBRIO
 
Igor Cozzo, diretor de comunicação da ABTD, diz que as palestras motivacionais podem ser efetivas para as empresas se inseridas em um programa de desenvolvimento. Ele recomenda equilíbrio entre elas e as técnicas.
 
Para Silvana Mello, diretora da consultoria LHH, o ideal é que as palestras sejam um complemento às atividades do RH. Um erro comum, porém, é serem eventos pontuais para "cumprir tabela" na área de treinamento, diz.
 
Outro problema é usar o momento para mascarar problemas internos da empresa. "Não adianta eu oferecer uma palestra motivacional para pessoas mal remuneradas", diz Luiz Edmundo Rosa, da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH).
 
Na Renner, a decisão foi por não organizar eventos do tipo. "O que anima as pessoas é perspectiva de carreira, autonomia, meritocracia", diz Clarice Costa, diretora de RH.
 
NO TRABALHO
 
Falar bem diante de uma plateia, retendo sua atenção, é uma habilidade importante no dia a dia do trabalho, mas que, na falta de ser ensinada, é muitas vezes encarada como um dom.
 
O palestrante Fábio Marques, há 19 anos no ramo e com um cachê de R$ 15 mil, explica que utiliza algumas técnicas para se apresentar.
 
O primeiro passo é se conectar com os ouvintes valendo-se de contato visual e uma introdução atraente, afirma. Para isso, ele criou uma fórmula: saudação, nome, tema, importância e palestrante.
 
O tema deve ser anunciado "como uma manchete de jornal", seguido por uma pausa. Para explicar a importância, é preciso ser sucinto e usar argumentos econômicos (o benefício financeiro), técnicos (entender como algo funciona) e operacionais (o bem estar gerado).
 
Não há ninguém que escape a se interessar por um desses campos, diz Marques.
 
Já a apresentação de quem fala deve vir por último, quando a atenção da plateia foi cativada, e não durar mais do que um minuto.
 
Ao longo da palestra, o mais importante é convergir para uma conclusão, guiando o raciocínio do público com perguntas, por exemplo, afirma Marques. O final, por sua vez, deve ser como um fechamento de venda. "Nunca diga 'é isso, obrigado'."
 
Não decore o conteúdo e nem comporte-se diferente do que você é, recomenda o palestrante Carlos Hilsdorf, 47. O recurso do humor só deve ser utilizado por quem tem familiaridade, senão prejudica o conteúdo, diz.
 
VOZ DO MERCADO

Demanda por palestrantes e preço das sessões cresce ano a ano:
 
11% foi o crescimento do mercado de palestras entre 2013 e 2014
 
R$ 6.213 foi o valor médio cobrado por palestra em 2014, frente aos R$ 5.845 em 2013
 
15% das empresas pagaram acima de R$ 8.000 por palestra em 2014
 
7% das empresas não realizaram palestras em 2014
 
Fonte: Pesquisa "O Retrato do Treinamento no Brasil 2013/2014" da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento
 

LOJA

- CONHECIMENTO NÃO TEM PREÇO! INVISTA EM VOCÊ!